sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Estamos em tempo de Quaresma


No Concelho do  Fundão todas as aldeias mantêm a tradição de celebrar a Quaresma
Mas é muito especialmente na sede do concelho  Fundão que estas celebrações teem mais impacto tanto a nivel local como regional

É uma época muito importante para o Fundão por isso é lhe dado o devido destaque valorizando a tradição religiosa e cultural. Manter e celebrar as tradições do concelho do Fundão é um dos grandes objetivos, das Entidades Civis e Religiosas ao mesmo tempo que se promove  a região enquanto local ideal para experienciar estas tradições com uma oferta turística de qualidade»,Esta é tambem o desejo se  Paulo Fernandes, presidente da Câmara do Fundão.

Tivemos inclusivè a informação através do Jornal do Fundão da existencia de uma Padaria em Valverde que de há 2 anos  a esta parte se dedicou a confeccionar um pão especial chamado de pão da Quadragéssima





Durante este período tem lugar na nossa cidade a Quadragésima,  festival que se realiza entre 10 de Fevereiro a 27 de Março. Simultaneamente decorre o festival gastronómico «Fundão, Aqui Come-se Bem», sendo que o destaque nos restaurantes e pastelarias aderentes serão os sabores da Páscoa.










Na Semana Santa e na Páscoa, destacam-se em quase todas as aldeias do Concelho, as “Encomendações das Almas”, os “Cânticos dos Martírios”, as “Ladainhas” e os percursos de “Regrar dos Passos”. Já na aldeia de Lavacolhos ocorre a singular “Procissão dos Penitentes”, e na Barroca, Aldeia do Xisto, decorre a “Procissão das Pinhas”. No Fundão salienta-se a “Procissão dos Santos Passos”, a “Procissão do Senhor da Cana Verde”, com a passagem pelas “Ermidas” e a “Procissão do Enterro do Senhor”.


Este Post que é simples mas com sentido de fazer chegar ao mundo exteriod  ao nosso concelho as nossas tradições espera ter atingido os fins para esse efeito
É ilustrada com muitas fotos da SANTA CASA DA MISERICÓRDIA 
DO FUNDÃO

A Procisssão dos Passos teve lugar no passado Domingo dia 21 de Fevereiro

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Noticias do nosso sitio

OLEIROS
É uma Vila sede de concelho, limitado a norte pelo nosso Concelho do Fundão

A vila de Oleiros é, sem dúvida, o núcleo central que polariza a actividade económica e administrativa do concelho, como também e mais significativo número de equipamentos colectivos e de apoio à actividade sócio-económica. A sua capacidade de atracção sobre o resto do concelho é manifestamente superior aos restantes aglomerados, porque detém uma posição chave na estrutura posicional de oferta e acesso a bens e serviços, Paralelamente, é o aglomerado de maior volume populacional e urbanístico.

Resultado de imagem para cabrito estonado oleiros

O prato regional mais famoso de Oleiros é o cabrito estonado à moda de Oleiros. havendo agora um outro produto de grande relevo, que é o Vinho Callum


O vinho Callum cultivado nalgumas freguesias de Oleiros, em particular no Mosteiro, ao longo das margens da ribeira da Sertã é bastante reputado e merece uma referência especial. Trata-se dum vinho branco, muito ligeiro, de baixo teor alcoólico que por vezes se compara com o vinho verde.
 A sua produção é no entanto muito reduzida, mas  sabe se já que estão a  caminho actividades da Camara e dos produtores para que chegue rapidamente aos circuitos de comercialização.


Domingos Teodósio e Sérgio Nunes são dois jovens a procurarem dinamizar a casta Callum e conseguir um vinho de qualidade com uma identidade especial e unica
É tambem seu desafio a sua certificação e a criação da Associação do Vinho Callum
As videiras Callum resistiram à filoxera, a grande praga que invadiu a Europa no século XIX e por isso o Callum é considerado um vinho histórico


Covém referir no entanto que o pinheiro é hoje ainda a principal árvore do concelho, sendo incalculável o seu valor económico tanto no que respeita a madeiras como a resina e seus derivados, de tão grande aplicação e consumo nos nossos dias.


 A nível industrial verifica-se a existência de algumas unidades (indústria de madeiras, metalomecânica, mármores, agro-industrial) na maior parte das freguesias, registando-se uma maior expressão em Oleiros.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Houve Festa na Freguesia



Como todos os portugueses sabem , houve  em 2013, .encomendado pelos então governantes uma reorganização das freguesias  tendo a nossa aldeia ficado agregada á freguesia de Janeiro de Cima  com a sigla de União de freguesias de Janeiro de Cima e Bogas de Baixo, no concelho do Fundão.
É sobre a aldeia sede de freguesia que vamos divagar. Esta  aldeia muito conhecida a nivel Nacional e até internacional derivado ás suas tradições, usos e costumes para além do seu casario na maior parte recuperado com Xisto, Situada á beira do rio Zezere com uma excelente praia fluvial é local de visita obrigatória
No passado dia 20 de Janeiro realizou se uma vez mais o cumprimento da tradição do Bodo de S Sebastião e  com a ajuda preciosa da página http://aldeiasdoxisto.pt/ transcrevo na integra  o que reza a história sobre este evento

Reza a lenda que em meados do século XVIII, a população de Janeiro de Cima foi assolada por uma forte epidemia que causou inúmeras vítimas.

Os habitantes de Janeiro de Cima pediram emprestada a imagem de S. Sebastião, advogado das fomes, pestes e guerras, a Janeiro de Baixo. Os moradores desta aldeia, com receio de contágio, não permitiram a aproximação dos habitantes de Janeiro de Cima, mas na madrugada do dia seguinte atravessaram a imagem do seu santo numa barca e depositaram-na na outra margem do Zêzere regressando rapidamente à sua aldeia.

Como o santo terá ouvido as preces e afastado a epidemia, Janeiro de Cima cumpriu a sua promessa edificando-lhe uma capela com imagem. Este agradecimento perpetua-se anualmente com a Festa do Bodo, a 20 de janeiro. Na celebração, os mordomos contribuem para um bodo, de pão e vinho, que após ter simbolicamente percorrido em procissão as ruas da aldeia e subido ao monte da capela do santo, ali é servido a toda a comunidade.