sábado, 31 de janeiro de 2015

As nossas aldeias premiadas

Aqui ao nosso lado situam se algumas aldeias  conhecidas a nivel nacional e não só, por pertencerem ao grupo das mais belas e pitorescas Aldeias de Xisto
As Casas de Floresta que estão sediadas em varias aldeias do concelho do Fundão, foram no passado dia 21Janeiro distinguidas em Lisboa como sendo uma Iniciativa com ElevadoPotencial de Empreendorismo Social. Comecemos então pela Casa do Bombo


A Casa do Bombo encontramo la em Lavacolhos, uma aldeia situada a poucos kilómetros do Fundão. Era uma  uma antiga escola primária, cujas infraestruturas e área exterior foram alvo de recuperação, transformando-se num espaço de conhecimento e interpretação da Cultura Musical do Bombo.
Os Bombos de Lavacolhos são sobejamente conhecidos pelas suas diversas atuações em diversos locais.
Encontra se patente ao público que visita a Casa do Bombo uma exposição de trajes típicos dos vários grupos do Concelho do Fundão, que mantêm viva a tradição de tocar bombo.

CASA DO MEL

A Casa do Mel sfica em Bogas de Cima a 36 km  do Fundão. Trata-se  tambémde uma antiga escola primária, encerrada por falta de alunos, cujas infra–estruturas e área exterior foram também recuperadas
 Nasceu para dar a conhecer melhor um dos segredos mais antigos do pinhal: o afamado mel de Urze. Nestas localidades situadas nas abas da serra da gardunha floresce esta planta que dá ao mel um sabor doce muito característico, com um travo levemente picante.
e eu que o diga que comi varias vezes e só de recordar fico com agua na boca

CASA DO COGUMELO


A Casa do Cogumelo situa-se na Malhada Velha, uma anexa de Bogas de Cima, Mais uma vez foi também iniciada na antiga escola primária,da Malhada completamente remodelada interior e exteriormenta para que fosse implantado,  um espaço equipado com equipamento laboratorial, onde se realizam operações de microbiologia, nomeadamente, a propagação do fungo do género Pleurotus, um cogumelo bastante apreciado.
Varias vezes visitei a Casa do Cogumelo e provei alguns cogumelos lá produzidos que eram uma delicia

CASA DAS TECEDEIRAS

Quem é que em Portugal ainda não visitou ou no minimo ouviu falar da Casa das Tecedeiras situada em Janeiro de Cima aqui mesmo ao lado de Bogas de Baixo que são uma só Freguesia  União de freguesias de Janeiro de Cima e Bogas de Baixo.
Composta por dois pisos R/c e 1º andar, a Casa das Tecedeiras dedica se a continuar a tradição da tecelagem enquanto se fica a conhecer um pouco mais do ciclo do linho e dos utensílios usados nesta antiga arte.
No 1º andar encontra se o ateliê onde trabalham as tecedeiras. na arte tradicional de bem tecer o linhlo
No r/c á entrada podemos ver um enorme tear manual e um espaço dedicado  à exposição e venda de produtos da Casa e da Região.
Há ainda a CASA REDONDA em Bogas de Cima e A CASA GRANDE na Barroca das quais me ocuparei de pesquisar algo para uma proxima postagem

As pessoas intderessadas em visitar estes espaços carregados de tradições podem marcar e informar se  na Pinus Verde
Marcação de Visitas / Contactos:

Pinus Verde: (+351) 275 647 342

Correio eletrónico: casas.floresta@pinusverde.pt

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Com a minha aldeia no coração



A saudade é palavra que perdura  através dos tempos
E cá longe vou sentido em caca dia que passa a saudade e a recordação de um dia ter lá nascido, ter passado lá uma adolescencia feliz com muitas crianças da minha idade
E por ver a desertificação da minha aldeia e a falta de gente nova pois crianças não há
Já nem escola temos e lembro me de termos sido em tempos que já vão longe, mais de sessenta alunos.
A minha vontade e desejo era poder visita la muitas vezes para rever toda  aquela paisagem envolvente onde os pinheiros marcam forte presença
A ribeira com a agua a correr e o chilriar dos passarinhos que habitam nas suas margens e tambem muito especialmente ver  as pessoas amigas e  extraordinárias que continuam a cumprimentar com um bom dia e uma boa tarde, toda a gente, mesmo os desconhecidos...

Podem acreditar que é bem verdade, pelo menos as pessoas mais idosas (a maioria que habita na aldeia...), incapaz de se renderem aos tempos modernos dos telemóveis e computadores.

Eu sei que estamos num outro tempo, mas conversar continua a ser das melhores coisas que podem acontecer entre seres humanos...

Em cada dia que passa
lembro a pequena aldeia,
 no coração de Portugal
 nas abas da serra da gardunha
concelho do Fundão
São recordações sem igual
quando nas ruas jogava,e saltava
eram jogos muito antigos
mas eram para nós um gozo
Porque eramos todos amigos
As festas eram uma loucura
com foguetes a estoirar
as procissões sobre a verdura
que punham nas ruas a enfeitar
Naquele mês de Agosto
Com a nossa banda a tocar,
a animação era um sucesso
e para sempre vou lembrar
até ao dia do meu regresso
a minha  querida aldeia. impar