quinta-feira, 27 de junho de 2013

Ecos da aldeia regressa á Beira Baixa

Hoje resolvemos regressar ao nosso cantinho, a nossa Beira Baixa e conhecer um pouco mais sobre duas aldeias do Concelho de Castelo Branco na parte mais oriental do concelho
São elas Malpica do Tejo  e Monforte da Beira
Saímos de Castelo Branco e dirigimo nos  para Malpica tendo parado um pouco sobre a ponte do rio Ponsul

 e recordar os tempos em que aqui nos deslocávamos para saborear uma ótima miga de peixe ou peixe assado ou frito que o tio Cabaço nos servia com abundancia e especialmente  qualidade.
E se  a gente bebia um pouco mais que a conta e não podia regressar a casa, o Ti Cabaço tinha 2 ou 3 quartos sempre disponiveis para podermos pernoitar e no dia seguinte estávamos operacionais para continuar .
 

Chegados a  Malpica saímos através de uma estrada rudimentar em terra batida e lá fomos até ao Tejo onde se podia ver um belo barco de recreio atracado num cais de madeira, que tinha sido encomendado por António Guterres no seu tempo de governante para incentivar o turismo numa área protegida de grande beleza que é o Parque Natural do Tejo Internacional

Sobre Malpica oferece nos dizer o seguinte:
É uma aldeia que foi ocupada desde tempos remotos. Vários são os vestígios da pré-história aí existentes, desde o Paleolítico (vários instrumentos de pedra lascada), Neolítico (covas em rochedos, assinalando pontos de observação astronómica, provavelmente com funções mágicas) até à Idade do Ferro (cabanas circulares) e época romana. Porém, após a antiguidade a zona ficou ao abandono durante vários séculos e só no século XV temos clara notícia de existência da freguesia. A partir daí, a freguesia foi crescendo até atingir, em 1960, cerca de 3500 habitantes (Malpica foi, no século XX, e ainda é, das aldeias maiores do concelho de Castelo Branco)
Devido á emigração e  á fraca natalidade, a freguesia hoje tem um numero muito inferior de habitantes.


                                                           Igreja Matriz de Malpica do tejo

E depois desta visitinha a Malpica do Tejo saimos através da Estrada Municipal 1267 em direção a Monforte da Beira, alguns kilómetros á frente saímos da estrada e fizemos uma visita ao local da romaria de Nossa Senhora das Neves e á sua capelaMalpica do Tejo - equilíbrio restabelecido - ©jf-۱۹۵۳
(a foto é de Joefalco)
Poucos kilómetros mais á frente chegámos á estrada Municipal 554 que nos levaria diretamente a Monforte

Segundo reza  a história, a origem de Monforte perde-se no tempo. No Monte Barata, foi encontrado um machado de latão com um anel lateral que parece ser da idade do bronze. O seu povoamento deve–se à Ordem de Cristo da qual era Granja. D. Manuel I concedeu–lhe foral em 1512. O foral de D. João III indicou aos seus habitantes, entre os quais muitos castelhanos que ajudaram a povoar o lugar, as respectivas obrigações em relação à Coroa e à Ordem. D. Manuel I concedeu-lhe novo foral em 1553. Em 1708 tinha 346 vizinhos. Freguesia de forte pendor comunitário (Monte do Chaparral) possui hoje, as infra-estruturas básicas fundamentais para o seu tão desejado desenvolvimento.



Ruas tipicas bem organizadas em questão á limpeza e aos jardins bem cuidados das suas casas  onde ainda podemos ver casas antigas muito bem recuperadas mas que souberam manter a sua traça tradicional, ou outras bem mais modernas
Igreja da Nossa Senhora da Ajuda, datada do século XVI: Altar-mor e laterais de talha dourada, Cristo Crucificado – século XIV (estilo gótico)
As festas de Nossa Senhora da Ajuda costumavam realizar se no dia 15 de Agosto de cada ano,
mas realizava se uma outra festa pouco mais de um mês antes em honra de São João Batista as tradicionais festas dos santos populares


Esta aldeia tem uma gastronomia riquissima como a Sopa de Grão que tradicionalmente era servida em todos os casamentos
Cabrito no Forno
Ensopado de Cabrito
Enchidos
No que respeita a doçaria podemos deliciar nos com Uma gostosa filhó frita, broas de mel ou bicas de azeite qualquer deles confeccionados com produtos da terra
Monforte da Beira tem um Grupo no Facebbok que vos aconselho Grupo Monforte da Beira

Quero tambem partilhar e divulgar o programa das festas de Monforte da Beira em 2013

Daqui saímos em direção ao Ladoeiro neste caso a localidade mais  proxima daí para Castelo Branco via Escalos

domingo, 23 de junho de 2013

Passeando pela Costa Vicentina

Fizemos o percurso entre Faro e Bensafrim pela auto Estrada A 22, rumando a partir daqui pela Nacional 120 até á bela vila de Aljezur
Voltamos á esquerda e damos um salto a Vale da Telha e Arrifana
Aqui iniciamos um percurso belo e agreste ao mesmo tempo pela Costa Vicentina até ao Promontório de Sagres depois de termos passado o Cabo de São Vicente
Passámos por locais maravilhosos numa área da Costa Alentejana que se mantém quase selvagem
Entrada de Vale da Telha
Com temperaturas amenas todo o ano a Costa Vicentina proporciona a quem a visita uma paisagem paradisíaca e aventureira em que existe uma mistura de mar com praia e serra tudo num único sítio.

Local ideal para os amantes da natureza por possuir uma grande diversidade de animais e plantas, aqui é possível observar diversas variedades de aves, destacando-se as migratórias que escolhem esta zona como passagem entre a Europa e o Norte de África...
Praia da Arrifana
É considerada como uma das melhores praias para a prática do surf e é muito utilizada por jovens e estrangeiros que procuram a beleza do local e as ondas para a prática desportiva.

Praia do Amado

É uma praia grande com um areal isolado e tranquilo que recebe milhares de visitas por ano, não só de turistas de outros países mas como também de turistas nacionais. O Amado é muito conhecida pelas suas ondas reduzido tamanho quando comparadas com as praias da zona da Ericeira e de Peniche, versáteis e diversificadas, por isso também muito procuradas pelos desportos radicais que proporciona
CARRAPATEIRA
Faz parte da freguesia de Bordeira no concelho de  Aljezur
Esta localidade é muito conhecida e frequentada por muitos que se deslocam para a Praia do Amado

Vila do Bispo
Vila Algarvia aqui mesmo paredes meias com Sagres e com uma costa maritima de tirar a respiração
O bispo D. Fernando Coutinho (senhor da Aldeia do Bispo) recebeu a doação, de D. Manuel, da Aldeia de Santa Maria do Cabo e integrou-a no perímetro da Aldeia do Bispo

Pedra da Agulha
 um espectacular excerto da paisagem da Costa Vicentina entre a praia da Arrifana e o Pontal da Carrapateira
Coisa digna de se ver
Vale Figueiras
Esta praia é composta por um extenso areal dourado. A praia é muito popular entre os surfistas. Da praia há passeios em qualquer direção ao longo das falésias para aqueles que gostam de desfrutar esta área de grande beleza natural. A área também é um habitat para Osprey que nidificam na área, e é uma das espécies de aves mais ameaçadas em Portugal. A área é também um dos poucos lugares na Península Ibérica onde se se tiver sorte, pode ver um lince ibérico
Praia da Barriga
Praia muito isolada, rodeada por montanhas, frequentada pelos praticantes de nudismo. Partilha o mesmo areal com a praia da Cordoama e Castelejo, possuindo, no entanto, entradas diferentes. Possui boas condições para a prática de desportos radicais, sendo procurada pelos amantes do surf e parapente.
Praia do canal
 é uma praia de pequenas dimensões, em Vila do Bispo, situada num vale que, em dias de maré cheia, quase desaparece. Local procurado, essencialmente, por nudistas e pescadores.
E no final da viajem estamos em Sagres, passámos ali pelo farol de São Vicente em cuja área podemos encontrar uma verdadeira feira onde se pode comprar de tudo

E viemos fazer uma visita ao Promontório de Sagres e no seu nterior podemos ficar a conhecer uma grande parte da história dos Descobrmentos Portugueses e tudo sobre a vida do Infante D. Henrique
O Firmamento  por aqui apresenta muitas vezes o sol encoberto por nuvens  mas nem mesmo assim podemos estar descansados no que diz respeito a queimaduras solares
Em Sagres a pele fica queimada mesmo sem  sol á vista




quinta-feira, 20 de junho de 2013

Um passeio pelas redondezas

Hoje vou mostrar vos como um pequeno passeio por terras esquecidas no coração da Beira, pode dar nos enorme prazer, pelas paisagens que podemos desfrutar e do ar que podemos respirar
Saindo de Bogas de Baixo, a aldeia que eu muito estimo e amo, passo a ponte e sigo já em direção ao Orvalho, uma localidade em grande expansão e com potencialidades para vir a ser um dia mais tarde uma das mais destacadas da zona do pinhal na Beira Interior
já na estrada ali prós lados da feiteira que noutros tempos foi do meu avô e continua nas mãos da familia, viro me para tráz e vejo Bogas já á distancia.
Daqui até ao Orvalho temos o previlégio de admirar uma vasta região por onde corre pachorrentamente o rio Zêzere
Chegados ao Orvalho e tomando a direção de Castelo Branco, deparamo nos logo á entrada com um otimo posto de abastecimento, uma área de serviço completa, onde podemos abastecer trocar um pneu, 
E se estiver com fome ou com sede tem tambem um restaurante á sua espera, ao mesmo tempo pode desfrutar da paisagem que oferece o Penedo Mosqueiro onde existe um belissimo e confortante parque de merendas e Miradouro

Ainda no Orvalho passo em frente á rua onde viveu a minha tia que infelizmente já nos deixou e sigo em frente para passar ao lado da casa da minha prima Maria
parei bati á porta mas ninguem atendeu, deve ter dadop mais uma escapadela até á casa dos filhos ou então estava para a França
Casas da Zibreira uma aldeia que pertence  á freguesia do Orvalho, na nossa passagem estava deserta, havia apenas duas pessoas aqui no comércio do ti Amandio, a beber um copito e a abastecer de géneros alimenticios
 E eis nos chegados á Foz do geraldo que tambem pertence á freguesia do Orvalho e daqui da estrada junto a este chafariz podemos ver toda a aldeia e avistar lá mais ao longe mesmo na encosta do cabeço zibreiro, a Adgeraldo. 
Costumava ir até lá em tempos já passados enquanto tinha lá familiares da parte do meu pai
Viemos acabar o nosso passeio aqui na Lameirinha onde fizemos uma paragem mais demorada  e saboreámos um bom prato de Bacalhau com todos 
O que quer dizer que só o bacalhau é que veio lá da Noruega porque as batatas a hortaliça o grão de bico o azeite e todos os outros ingredientes são produto cá da terra. Por exemplo o azeite é fabricado aqui a 2 Kms no lagar de Valbom, para onde quase todos os proprietários de oliveiras aqui da região transportam as suas azeitonas para assim recolherem o azeite para consumo doméstico
Qualquer dia continuo esta viajem por estradas ladeadas de arvoredo especialmente pinhais e  iremos até São Vicete da Beira  e no meio do percurso desviar me ei um pouco para visitar aterra do meu pai

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Por aldeias da Beira Alta

Hoje  vou aproveitar para para partilhar com todos vós, algumas paisagens de aldeias tipicas da Beira Alta e ao mesmo tempo transcrever uma história que se passou comigo e com a familia aqui por  estas bandas
Um dia há vários anos negociava eu na área das tintas para a construção civil e metalomecanica, resolvi deslocar me  a Malta ali muito perto de Pinhel, onde existia a fábrica de tintas de Malta.
Estava interessado em comercializar um tipo de tinta primária que eles fabricavam
Vai daí peguei na esposa e filhos e pensámos juntar o util ao agradável e ia proporcionar lhes um passeio diferente, Então saímos do Fundão em direção ao Sabugal e daqui para Cerdeira do Coa onde habitava uma irmã minha.
Ao chegar deparámos com a casa fechada, pois estavam para  França a passar uns dias, seguimos e no Alto do Leomil voltámos á esquerda e quando iamos na direção do Pinzio, ao passar na Ribeira das Cabras, o motor do meu carro sofreu uma avaria que foi nescessário vir  o Pronto socorro rebocar nos até  uma oficina do Pinzio, aí tivemos que procurar uma residencial onde pernoitar pois o carro só estaria pronto na melhor das hipótese no dia seguinte.
E assim foi mas no dia seguinte quando o carro ficou reparado já não eram horas de seguir viajem e ficámos mais uma noite



Depois de termos passado pela aldeia de CHEIRAS  eis nos numa outra aldeia onde a unica rua existente servia para a passagem de carros pessoas e  até  animais, que se passeavam livremente rua acima
Esta aldeia chama se MANIGOTO
 Antes de rumar a MALTA aqui já muito perto resolvemos parar em VASCOVEIRO, uma aldeia onde se notva alguma evolução no seu casario muito por causa dos emigrantes que resolveram aplicar algumas economias na construção de uma casa nova ou na restauração das existentes
 Esta aldeia muito simpática apresenta boas condições para o pequeno cultivo, muita erva para a alimentação dos animais bovinos e vacas leiteiras que podiamos ver  na sua maneira pachorenta  a pastar nos campos á beira da estrada

 Em Vascoveiro existia nessa altura uma Necrópole Medieval
A Capela de Santa Bárbara onde  normalmente se faz a festa nos mês de Agosto, e onde é presença assidua para abrilhantar a festa e fazer as célebres arruadas na recolha de oferendas, a Banda Filarmónica de Pinhel

 Passámos ainda no Largo do Enchido onde existe  um cruzeiro
Passámos aqui uma manhã inteirinha, e fomos da parte da tarde para Malta onde aproveitei para almoçar num ótimo restaurante da terra
Depois fizemos uma visita á Barragem de Vascoveiro
Pena foi que esse dia estava um céu bastante carregado de nuvens o tempo ameaçava chuva mas não chegou a chover.
Esta Barragem  faz parte da Bacia Hidrográfica do Douro, tendo como linha de água a ribeira da Pega que é um afluente da margem esquerda da ribeira das Cabras sendo esta um afluente da margem esquerda rio Côa por sua vez afluente da margem esquerda do rio Douro


Na altura a barragem tinha sido acabada havia muito pouco tempo,pois embora tenha sido projectada em 1996, foi  concluída em 2000, tem como utilização o abastecimento de água  e a sua altura, acima da fundação, é de 23 metros.
Mas é tambem hoje um ótimo espaço de lazer onde as populações das terras circundantes se deliciam com umas banhocas e muito sol para o bronze

E foi assim que passámos aqueles dois dias em 2001 se não estou errado.
algumas imagens foram obra de uma pesquisa no Goggle

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Vale da Rainha em Arouca (um tresouro)

Hoje o Ecos da Aldeia desloca se até á Beira Litoral para vos mostrar lindas paisagens  de uma zona carregada de história

                                                                     Parque do livro

O nome de Vale da Rainha deve ter ficado ligado á Rainha Dona Mafalda nascida em Coimbra em 1195 filha de D. Sancho I.
Abel Botelho escreveu em Mulheres da Beira, que Dona Mafalda tambem chamada rainha do povo fez desta terra a sua terra.
Mosteiro de Arouca
ainda hoje impera aqui a desventurada filha de D Sancho I que doou vida e haveres ao mosteiro
ainda hoje em Arouca nos mostram com orgulho a mole do mosteiro, o explendor da igreja, a riqueza do Museu e o tumulo com o corpo intacto da Rainha Santa


                                                      Mosteiro de Arouca
A prodigiosa fertilidade deste vale coberto do extraodinário verde das hortas, pomares e jardins, alia se á excelencia do casario da vila constituindo assim o tesouro do vale da Rainha.


                                 um dos muitos espaços verdes existentes em todo este vale
Deve olhar se o casario, antes de contemplar os cerros vizinhos, afundados numa imensa cova verde e formosa, perfumada pelos frutos de Outono e pelo cheiro da terra da terra lavrada na Primavera.
O velho mosteiro permanece indiferente ao tempo com mais de 1000 anos de história


                                                         Aldeia remota de Drave

Aqui nesta magnifica foto podemos ver uma aldeia perdida numa cova entre as serras da Freita e  a de S Macário

É  a aldeia mágica de Drave que segundo me consta está desabitada mas não abandonada, sendo por isso um lugar a merecer a nossa visita
                                                  aldeia de Rio de Frades 

Existe ainda esta outra aldeia de xisto de dificil acesso mas a merecer todos os sacrificios para lá chegar
é  a  aldeia de Rio de Frades onde tambem existe um tunel que sendo atravessado se pode deparar com uma beleza que nos deixa completamente maravilhados

Uma impressionante imagem do rio Arda, captada por  (Márcia Moreno)

e ainda esta outra de rara beleza captada por (Silvério Santos)


Se for a Arouca não deixe visitar também a Frecha de Mizarela em Albergaria das Cabras

O Pelourinho de Alvarenga

                                     Pelourinho de Alvarenga

 Uma torre românica do século XII no Burgo edificada a meia encosta, com o domínio visual sobre o vale d e de frente para o Castro de Valinhas que lhe sustenta a lenda de "Torre dos Mouros" que vem dos tempos da Reconquista Cristã, em tempos medievais.

                                            Torre românica do Burgo


Em Castelo de Paiva  o Solar da Fisga ( casa de campo do século XVII


                                                         Miradouro de Catapeixe


Em Sardoura  a Igreja Matriz com um quadro quinhentista

e muito mais, neste Vale carregado de tradições e muita beleza

(As imagens foram captadas no Google)