sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Chegámos ao Fundão capital da Cova da Beira

Hoje vou mostrar um pouco das vistas que a Gardunha nos oferece duma grande extensão da Cova da Beira e vamos posteriormente estacionar no Fundão uma linda cidade situada mesmo no coração da nossa Beira Baixa entre a s duas maiores serras Portuguesas, Gardunha e Estrela
Na Idade do Ferro, desde o ano 1000 a.C. até à sua destruição pelos Romanos, houve no topo do Monte de São Brás um Castro lusitano. Este foi substituido por uma villa ou núcleo de edifícios agriculturais no tempo do Império Romano (por baixo da Rua dos Quintãs). Julga-se que a villa foi substituida por uma mansão senhorial fortificada na Alta Idade Média.

O topónimo do local Fundão foi pela primeira vez referido em documento de 1307, e depois 1314 e 1320 referindo 32 casas. Nessa altura ficava aquém em população e influência, a várias aldeias que hoje fazem parte do seu concelho, como a do Souto da Casa



A história do Fundão enquanto centro urbano preeminente é condicionada desde o inicio pelos Cristãos-Novos, assim como a dos concelhos vizinhos de Belmonte e da Covilhã. Após a expulsão dos judeus espanhóis (sefarditas) em 1492 pelos Reis Católicos Fernando e Isabela, grande numero de refugiados veio a estabelecer-se na Cova da Beira, onde já havia minorias judaicas significativas. Foram estes imigrantes, fundando bairros dos quais o mais importante situava-se em volta da Rua da Cale (Rua do Encontro ou da Sinagoga em Hebraico, que permitiram ao local Fundão assumir as dimensões de uma verdadeira cidade. O influxo de mercadores e artesãos judeus transfomaria a cidade num centro importante para o comércio e a industria. Com o estabelecimento da Inquisição, começaram as perseguições aos judeus e cristão-novos, tendo sido numerosas as expropriações, as torturas e as execuções. Ainda hoje são frequentes os nomes dos cristão-novos nos habitantes da região. A cidade perdeu assim nessa altura grande parte do seu dinamismo económico.

Em 1580 os notáveis da cidade deram o seu apoio ao Prior do Crato D. António, contra as pretensões do Rei de Espanha D. Filipe II (Filipe I de Portugal). Nesse ano elevaram unilateralmente eles próprios o Fundão ao estatuto de Vila. O concelho foi fundado em 1747 por ordem de D.Maria I, emancipando-o da Covilhã.

No periodo do Iluminismo do fim do Século XVIII, o então Primeiro Ministro do reino, o Marquês de Pombal, após equiparar legalmente os cristão-novos aos cristão-velhos, procurou restaurar a preeminência económica da cidade fundando a Real Fábrica de Laníficios, onde hoje está situada a Câmara Municipal. Nessa altura voltaram a ser exportados em quantidade os tecidos de lã do Fundão. A cidade foi saqueada durante as Invasões Francesas, e voltou a sofrer durante a Guerra Civil entre os Liberais pró-D. Pedro II e os Conservadores pró-D. Miguel.

O Fundão foi elevado a Cidade em 19 de Abril de 1988



Podemos ver um dos muitos pomares de cerejeiras dispersos por toda a encosta norte da Serra da Gardunha.
Embora a Sul entre Alpedrinha e Póvoa da Atalaia este gostoso fruto esteja a ser produzido em grandes quantidades e de grande qualidade



algumas vistas da grande extensão que separa a gardunha da estrela, uma região riquissima pelos seus frutos sendo a cereja a que mais extensão de terra ocupa e que é exportada para todo o País e muitos paises estrangeiros




O Fundão está localizada no sopé da Serra da Gardunha, no planalto da Cova da Beira, a uma altitude de cerca de 500 metros. É sede de um município com 700,13 km² de área e 30 867 habitantes (2008[1]), subdividido em 31 freguesias. O município é limitado a norte pelos municípios da Covilhã, Belmonte e Sabugal, a leste por Penamacor e Idanha-a-Nova, a sul por Castelo Branco, a sudoeste por Oleiros e a oeste por Pampilhosa da Serra.

Capela do Espirito Santo e Calvário
Na saida para a Covilhã ao longo da EN 18 com uma saida da autoestrada A23desenvolveram-se várias industrias e comercios de interesse até a nivel nacional como a transformação de madeira, granitos, vidro e piscinas. Nesta zona existem vários hotéis, restaurantes e piscinas com interesse turístico



A principal artéria do Fundão a Avenida da Liberdade



O Castelo á entrada da Cidade



Igreja Matriz 

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

ZÊZERE, um dos mais belos rios portugueses

O mês de Agosto chegou ao fim e o Verão entrará brevemente na sua curva descendente,
 Vou por isso partilhar e recordar as margens do Rio Zêzere por aqui bem perto de Bogas, de Janeiro de Cima e Janeiro de Baixo não esquecendo Cambas nos concelhos do Fundão e da Pampilhosa da Serra
Certamente muita gente se deliciou durante o mês de Agosto banhando se nas aguas transparentes e mornas das praias fluviais que existem por estes belos sitios.
Conhecidas de todos os residentes, mas tirando os emigrantes poucos forasteiros conhecerão tamanha riqueza. É um pouco tambem por causa disso que aqui vou publicando algumas dessas maravilhas que muitos desconhecem mas que existem de verdade nos recantos mais remotos deste nosso Portugal

Mostro de seguida duas imagens do rio na sua passagem por Porto de Vacas

A aldeia fica situada junto ao rio Zêzere no concelho da Pampilhosa da Serra mas aqui bem pertinho de nós. Na aldeia há muitas coisas para visitar: a capela, o centro de dia, a casa do povo, o jardim de infância, o campo de futebol, a escola, chafarizes antigos e um moinho.


Aproveitemos agora ver e admirar algumas imagens na sua passagem por Janeiro de Cima

Pensa se que esta localidade tenha tido a sua origem no século XVI, XVII, (desconhece-se a data precisa), um senhor, talvez nobre, possuidor de grandes bens e terras nas duas margens do rio Zêzere, resolveu ao morrer, legar os seus bens aos dois filhos de nome januários, entregou a um, as terras da margens direita do rio, ao outro, as da margem esquerda, assim nasceu Janeiro de Cima, na margem esquerda e Janeiro de Baixo na margem direita.

Vou portanto partilhar tambem algumas imagens de Janeiro de Baixo

Janeiro de Baixo, cuja origem terá a ver com Janeiro de Cima e aquela familia dos Januários, mas actualmente é constituída pelos lugares de Brejo de Baixo, Brejo de Cima, Esteiro, Janeiro de Baixo, Machialinho, Porto de Vacas, Safra e Souto do Brejo. é portanto uma das maiores freguesias das redondezas e das margens do Zezere Possui umas das belas praias fluviais existentes ao longo do nosso rio A partir daqui até Cambas o rio começa a ser mais sinuoso com muitos rapidos pelo meio, a meio deste percurso avistamos a foz de Bogas um dos maiores afluentes do Zêzere. Podemos avistar o Linteiro na sua margem direita e mesmo em frente na margem contraria existe ainda embora em ruinas a quinta do Fojo

A Aldeia de Cambas, que embora se situe na margem direita do rio pertence ao concelho de Oleiros, no entanto em tempos remotos pertenceu ao Termo da Covilhã, aparece no concelho do Fundão logo que este é criado, tal como Vilar Barroco e Orvalho, também hoje do concelho de Oleiros; pelo Decreto de 29 de Novembro de 1836, a freguesia de Cambas é incorporada, pela primeira vez, no concelho de Oleiros, tal como o são igualmente as freguesias de Orvalho e Vilar Barroco.
Aldeia de Cambas

Mas não iria finalizar esta postagem sobre as belas praias fluviais existentes em redor de Bogas de Baixo sem passar por Ademoço, esta linda aldeia na margem direita do Zezere que podemos ver na imagem



Dizia me há dias um amigo e assiduo visitante deste blogue que as visitas e os comentários fazem parte da alma de cada blogue. e é bem verdade porque nos alimentam a vontade de continuar
 No meu caso, com as visitas mesmo sem comentários, continuo nesta luta de fazer com que estes lindos recantos sejam conhecidos e não esquecidos 
Continuem a vir pois de vez enquando publicarei algo de novo

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Nas encostas da Gardunha

Partindo das margens do Zezere, e subindo as encostas da Gardunha. deparamos com lugares de uma paisagem deslumbrante misturada de casario, terras de cultivo e muito arvoredo com tons de rara beleza, onde impera o pinheiro, castanheiro, o ervedeiro, e muitas outras arvores sejam elas selvagens ou de fruto o
Um lugar encantador   a pequena aldeia da Ladeira 

Pelos montes da zona poente da Serra,o cenário é encantador Fala se e escreve se muito sobre a Gardunha mas quase sempre das suas saidas a norte pelo Fundão ou a Sul por Alpedrinha, esquecendo a sua saida por Silvares onde a gardunha tem um encanto maior por ser uma zona de pinhal e bem povoada 

Aspeto geral de Bogas de Baixo 




Aldeia do Descoberto freguesia de Bogas de Cima  concelho do Fundão

Janeiro de Cima

Aldeia de Bogas do Meio


A placa é elucidativa da povoação que estamos a ver


Temos o caso das aldeias de Açor, Boxinos Malhada Velha, Bogas de Cima, Bogas do Meio e Bogas de Baixo, Barroca S. Martinho e ainda, Janeiro de Cima, Maxial, Ladeira e Descoberto indo mesmo até á Panegral agora abandonada




 Em todas estas aldeias há um património rico que muita gente desconhece Venham passar um fim de semana de carro Jipe ou mesmo de bicicleta e sintam o quanto é bela esta encosta da serra Partilho com todos vós algumas imagens que nos mostram como esta região é bela e calma onde podemos respirar ainda algum ar puro e estarmos em permanente contacto com a natureza





As imagens que compoem esta postagem são bem elucidativas daquilo que acabo de escrever

Aqui é realmente o coração de Portugal

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Isto é Beira Baixa, é Portugal




Do alto da Maúnça em direção á Santa Luzia

Lá do alto do Açor ao som daquelas enormes ventoinhas que nos fornecem electricidade Se direcionarmos a vista levemente para o nosso lado esquerdo podemos apreciar toda aquela encosta da Gardunha que nos deixa ver o Castelejo e a Enxabarda lá em baixo, o Souto da Casa e depois o Fundão lá mais longe

Para traz deixamos as aldeias de Boxinos; Malhada Velha,e Bogas de Cima. sendo esta ultima localidade a sede de Freguesia



a que pertencem para além das duas povoações referidas, ainda o Descoberto e Bogas do Meio. De Bogas de Cima podemos ficar com mais conhecimentos da sua História e património se visitar mos esta página  clique aqui onde podemos ficar a saber tudo ou quase tudo sobre esta freguesia


 Do alto da Maúnça avistamos uma belissima paisagem que nos leva de Lavacolhos até á serra da Estrela e então podemos deliciar nos com esta maravilhosa imagem sempre á beira do nosso rio Zêzere Destacando se Silvares, Ourondo, Paul, Minas da Panasqueira, Casegas e muito mais


Mas esta minha partilha de imagens tem como objetivo principal divulgar a grande Romaria á Santa Luzia no Castelejo concelho do Fundão

A grande romaria que anualmente tem lugar neste belissimo local, vai realizar se no proximo dia 15 de Setembro e será feriado no concelho do Fundão. Esta romaria conta todos os anos com uma enorme afluencia de romeiros vindos de toda a parte de Portugal e estrangeiro mas muito especialmente das redondezas

Vêm os Bombos , grupos folclóricos para além da animação que a comissão de festas contratou para estes dois dias de festa Como em quase todas as grandes romarias do nosso País
Em autocarros, automóveis e até nas suas carroças engalanadas Vêem tambem os romeiros, quase sempre em grupos cantando a Santa Luzia
Como em quase todas as grandes romarias do nosso País aqui tambem vamos poder assistir á parte religiosa com procissão das velas a partir do Castelejo e no dia seguinte com a missa campal sempre com uma enorme assistencia, onde muitos romeiros veem pagar as suas promessas

  Durante a noite niguem dorme, pois os altifalantes dos vendedores ambulantes, dos carrocéis e dos carrinhos de choque não deixam dormir ninguem

Aproveitamos para nos deliciarmos com saborosos petiscos que os diversos estabelicimentos de restaurante ambulante que vieram bem abastecidos dos ingredientes nescessários para o efeito. Ainda assim uma grande parte das gentes que se deslocam a este terreiro trazem o farnel preparado em casa que depois aqui nos arredores da festa espalham por cima de toalhas postas no chão, aproveitando para passar momentos de franco convívio




SOBRE ESTA SANTA DIZ SE MUITA COISA POR TODO O MUNDO Um pouco por todo o País festejam-se as festas em honra de Santa Luzia, mas na maior parte dos sitios as festas teem lugar no mes de Dezembro e até em Maio. Mas vejamos um pouco do que se passa na festa que se realiza no Castelejo, em que apesar do vento frio e por vezes a chuva que se faz sentir nao demove os romeiros de voltarem cá ano após ano e assistir á missa solene. Os festejos em honra de Santa Luzia – considerada pelos cristãos como a protectora dos olhos – continuam a ser uma prova de que ainda existem tradições bastante vivas como prova o que se passa aqui no Castelejo As razões que atraem uma multidão a estes festejos são diversas: uns por mero divertimento, outros para cumprir as suas promessas, especialmente relacionadas com pedidos de ajuda a Santa Luzia na cura de “males” da visão. E também toda uma panefernália de vendilhoes, desde cobertores a meias e santinhos.


As tradicionais flores da Santa Luzia são muito procuradas por muita gente Conta-se que pertencia a uma família italiana e rica, que lhe deu ótima formação cristã, ao ponto de Luzia ter feito um voto de viver a virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe queria vê-la casada com um jovem de distinta família, porém pagão. Ao pedir um tempo para o discernimento foi para uma romaria ao túmulo da mártir Santa Ágeda, de onde voltou com a certeza da vontade de Deus quanto à virgindade e quanto aos sofrimento por que passaria, como Santa Ágeda. Vendeu tudo, deu aos pobres e logo foi acusada pelo jovem que a queria como esposa. Santa Luzia, não querendo oferecer sacrifício ao deuses e nem quebrar o seu santo voto, teve que enfrentar as autoridades perseguidoras e até a decapitação em 303, para assim testemunhar com a vida, ou morte o que disse: "Adoro a um só Deus verdadeiro, e a ele prometi amor e fidelidade". Para proteger as relíquias de santa Luzia dos invasores árabes muçulmanos, em 1039, um general bizantino enviou as para Constantinopla, atual Turquia. Elas voltaram ao Ocidente por obra de um rico veneziano, seu devoto, que pagou aos soldados da cruzada de 1204 para trazerem sua urna funerária. Santa Luzia é celebrada no dia 13 de dezembro e seu corpo está guardado na Catedral de Veneza, embora algumas pequenas relíquias tenham seguido para a igreja de Siracusa sua terra natal, que a venera no mês de maio também.

domingo, 19 de agosto de 2012

Isto é mesmo Beira Baixa


Adoro divulgar o que é nosso, as nossas raizes e assim sendo cá volto eu ao vosso convivio para partilhar com todos algumas imagens de passeios fantasticos que se fazem no nosso País
Eu sou mesmo daqueles que pensa e age em conformidade fazendo férias fora cá dentro
Conheço alguns paises do mundo e ainda não encontrei nem melhor nem mais belo e apelativo do que o nosso Portugal
Hoje mostro algumas imagens da minha Beira Baixa (o meu berço) e mostrar alguns sitios que vale a pena conhecer, vale a pena visitar


Uma imagem parcial da aldeia da Capinha no concelho do Fundão


Igreja Matriz da Capinha



E Como a finalidade desta postagem é pura e simplesmente mostrar imagens da nossa terra, aqui vão mais algumas todas elas de locais de uma beleza sem igual




O Ingarnal situado nas encostas da Gardunha, terra de meu pai que eu considero minha também Vista do alto do cabeço parece uma coisinha minuscula perdida na serra onde se respira ar puro se bebe agua cristalina e se convive com um pequeno povo muito afável


-Rio Zezere serpenteando pelo sopé da Gardunha a caminho da foz em Constancia onde se encontra com o Tejo



Uma das encostas da Serra da Gardunha com os cerejais em flor, é uma paisagem de sonho. é ver para crer



Passem pelo Orvalho na estrada Castelo Branco Coimbra, e visitem Agua d'Alta este lindo local ali mesmo junto á localidade É lindo e dá nos uma grande sensação de paz e muito sossego



ORVALHO    uma belissima casa de xisto






Ainda no Orvalho, a Torre do relógio no Largo da Eira  e sua Igreja Matriz